Notícias

Cirurgiões participam de curso de cirurgia de tireóide no Centro de Treinamento em Cadaver Lab

Os mais renomados Cirurgiões de Cabeça e Pescoço do Brasil participam na Suprema do primeiro curso do Centro de Treinamento de Cirurgias (CadaverLab), a mais completa estrutura de ensino na área da América Latina, inaugurada em outubro na faculdade.


Em parceria com o Instituto Crispi e Instituto HLA (Health Learning Academy), está sendo realizado o NETTS: New Technologies in Thyroid Surgery (TOETVA), um curso de cirurgia de tireóide e paratireoide em pacientes com doenças benignas ou malignas por acesso videolaparoscópico, sem cicatriz no pescoço. O curso com dissecção em cadáveres é o primeiro a ser realizado na América Latina.

Entre os professores convidados, o médico Jonathon Russell, considerado o mais experiente cirurgião na área. Russel é diretor de Cirurgia Endoscópica e Robótica de Tireóide e Paratireóide e professor Assistente de Otorrinolaringologia - Cirurgia de Cabeça e Pescoço do Johns Hopkins University, nos Estados Unidos. Durante entrevista, Russel destacou a qualidade do Centro de Treinamento e os avanços conquistados pelos cirurgiões de cabeça e pescoço no Brasil. “O centro é impressionante, comparado aos grandes laboratórios norte-americanos, o que facilita a transmissão de conhecimento. É muito bom compartilhar com os colegas os avanços em cirurgias de cabeça e pescoço”, afirmou.

A estrutura disponibilizada pelo Centro de Treinamento em Cadaver Lab da Suprema e seus laboratórios também mereceu elogios do coordenador do curso, Leonardo Rangel. Ele ressaltou ser um dos poucos espaços no mundo a estar completamente preparado para receber um treinamento desta natureza. Segundo ele, no Brasil já são cerca de 300 casos desta técnica cirúrgica, o que justifica o curso para a sua difusão. “Esta técnica associa uma qualidade cosmética a um procedimento oncologicamente seguro”, explicou.

Ainda segundo Rangel, este tipo de cirurgia vai proporcionar aos pacientes procedimentos de excelente qualidade, sem cicatriz. “Nós esperamos que outros profissionais do país e do exterior possam treinar neste centro para permitir um salto de qualidade no atendimento”, afirmou. Um dos alunos, o cirurgião de cabeça e pescoço Uirá Coury, da Paraíba, se disse surpreso pela qualidade da formação e do centro. “Para nós cirurgiões, é uma oportunidade inédita na América Latina de um curso com toda esta credibilidade”, frisou.


Procedimento inovador


O treinamento permite que os cirurgiões tenham uma instrução o mais próxima da realidade para realizar o procedimento mundialmente inovador. Os médicos adquirem habilidade antes de ter contato com o paciente, além de ser uma oportunidade de troca de experiências dos mais experts da área e apresentação dos resultados de todos os trabalhos que estão sendo publicados. Tudo isto com o melhor modelo de aprender.

Além das aulas com o especialista norte-americano e com a equipe composta pelos especialistas Leonardo Rangel (coordenador), Erivelto Volpi, Higino Steck, Antônio Bertelli, Renan Lira, Guilherme Duque e Michelle Azevedo (preceptores), os médicos participam de treinamentos práticos em simuladores e em cadáveres frescos.

Evolução do treinamento


O Centro de Treinamento em Cadaver Lab da Suprema foi inaugurado em outubro, em parceria com o Instituto Crispi e Instituto HLA (Health Learning Academy) e integra o Complexo de Cirurgias Minimamente Invasivas da faculdade. O complexo permite a médicos pós-graduandos e dentistas a se especializarem em cirurgias minimamente invasivas e representa um salto de qualidade no treinamento de cirurgias, antes que o cirurgião inicia o atendimento ao paciente.

Os laboratórios permitem uma evolução progressiva do treinamento do profissional passando pelos simuladores, Anaimal Lab e Cadaver Lab. Estas etapas faz com que o médico cirurgião tenha uma formação muito mais qualificada e mais próxima da realidade, antes de fazer ao atendimento ao paciente.    





logobase3.png