Notícias

Já pesquisou sobre a empregabilidade na área da saúde?

Atualizado: Ago 24


Você está se preparando para o Vestibular em algum curso da saúde e com aquela dúvida de qual seguir? É essencial pesquisar quais são os cursos com maior necessidade de mão de obra.


Uma pesquisa do Semesp, organização que representa instituições de ensino superior no Brasil, aponta uma forte relação entre a formação profissional e a empregabilidade. Quem possui curso na área da saúde tem 50% de chances a mais de estar empregado.



Dentre as esferas de atuação no mercado de trabalho, a área da saúde é uma das mais conhecidas pelas suas variadas opções de especializações e postos de trabalho. 

E já que a empregabilidade é um dos fatores para apostar em algum dos nossos cursos superiores, a Suprema disponibilizou uma lista com as principais profissões na área da saúde para você.


Enfermagem


Uma projeção da Organização Mundial da Saúde é que o mundo precise de nove milhões de pessoas dessa força de trabalho para atingir a meta de cobertura universal de saúde até 2030. 



As áreas de atuação abrangem unidades de saúde, assessoria e consultoria, atendimento domiciliar, enfermagem geral, geriátrica, obstétrica, urgência e emergência, enfermagem intensivista e ensino e pesquisa.



A última pesquisa do Conselho Federal de Enfermagem mostra que a região Sudeste hospeda 54% dos enfermeiros do país. No Norte e Nordeste há uma grande busca por enfermeiros dispostos a trabalhar em cidades do interior.



Segundo pesquisa divulgada pelo site de empregos Catho, em março de 2020, houve um aumento de 397% do número de vagas para enfermeiros, se comparado ao mesmo período de 2019.



As oportunidades para profissionais com especialização são ainda maiores. Para enfermeiro de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) o crescimento foi de 718%.



O salário varia de acordo com o tempo de carreira, área de atuação e carga horária de trabalho, que pode ser de 24h, 30h, 36h e 40h semanais. A média nacional para iniciantes varia entre R$ 1.5 mil e R$ 6 mil.  Conheça melhor a profissão.


Farmácia


A profissão está entre as dez com as maiores taxas de ocupação do Brasil .De acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), referentes ao primeiro trimestre de 2019, foi a segunda de nível superior que mais gerou novos empregos com carteira assinada.


A pesquisa “Panorama do Mercado Farmacêutico Brasileiro, Tendências & Oportunidades”, realizada em 2019 pela empresa IQVIA, mostra ainda que o Brasil é o 6º maior mercado farmacêutico do mundo.


O farmacêutico atua na área tecnológica, com pesquisa, desenvolvimento e produção de novos fármacos, metodologias para diagnóstico laboratorial e com a oferta do cuidado e dos serviços farmacêuticos ao paciente. 


Alguns fatores que contribuem para o aumento da empregabilidade nessa  área da  saúde, como a exigência de um farmacêutico responsável presente em farmácias e a carência de profissionais em novos ramos de pesquisa.


O salário de um farmacêutico varia de acordo com sua especialização e ramo. O piso nacional varia de R$ 3 mil a R$ 4 mil. Mais sobre essa profissão aqui.


Fisioterapia


A busca por hábitos saudáveis e o cuidado para o bem estar estão levando as pessoas a procurarem o fisioterapeuta, de forma preventiva.


O fisioterapeuta pode atuar na área clínica, educacional e escolher entre as especialidades reconhecidas pelo COFFITO. E do pronto atendimento até a pós-internação, é fundamental ter um fisioterapeuta para impedir complicações cardiorrespiratórias


Pode atuar no trabalho em equipe ou individualmente. O mercado é amplo, sendo a terapia intensiva a área com maior expansão. 


Na maioria dos estados a remuneração mínima é fixada em torno de R$2.500. A taxa de ocupação da profissão no Brasil gira em cerca de 93%. Saiba mais sobre a profissão.


Medicina


Com um índice de empregabilidade de 97%, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), é uma das profissões mais bem pagas. O salário inicial de um clínico geral é de cerca de R$ 5 mil, mas pode ganhar por volta de R$ 18 mil de acordo com a especialidade.


O último estudo Demografia Médica, do Conselho Federal de Medicina, mostrou que o Brasil registra um índice de médicos inferior a países desenvolvidos: 2,1 por habitante e cai para menos de 1 no Norte e Nordeste,. Ao todo, são quase meio milhão de profissionais.


Um profissional bastante procurado é com conhecimento em gestão hospitalar, para administração de medicamentos, atividade responsável por parcela considerável dos gastos das unidades de saúde.


Pesquisa realizada pela empresa Catho/Exame mostra que as especialidades mais bem pagas são Neurocirurgião, Cirurgião Plástico,  Cirurgião Geral, Ortopedista, Médico Auditor, Anestesiologista e Dermatologista.Veja mais sobre a graduação.


Odontologia


Segundo o Conselho Federal de Odontologia (CFO) são mais de 350 mil Cirurgiões-Dentistas no país. A Ortodontia detém o maior número, com 23% das especialidades e a Odontologia do Esporte com apenas 0,02%, o menor campo da profissão.


Além de seu próprio consultório, o dentista pode trabalhar em clínicas, hospitais, escolas, instituições previdenciárias, empresas e nas áreas de ensino e pesquisa científica. 


Estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) apontou que é um dos profissionais mais bem remunerados, com salário médio de R$ 4.2 mil .


A Sociedade Brasileira de Odontologia e Estética informou que a busca por tratamentos estéticos nos consultórios está cada vez maior, aumento de 300%, concentrando 55% da receita. Saiba sobre o curso.


Está se preparando para o  Vestibular e se interessou por um dos cursos? A Suprema te ajuda a realizar o sonho de ser um profissional da saúde. 

Fale com a gente pelo nosso WhatsApp 32 98873-1393


logobase3.png