Notícias

Março Amarelo marca Campanha de Esclarecimento sobre a Endometriose

A Campanha Nacional de Esclarecimento sobre a Endometriose foi lançada no dia 14 de março, na Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora – Suprema através do Instituto Crispi de Cirurgias Minimamente Invasivas.

A campanha, que marca o Março Amarelo, tem o objetivo de alertar sobre a doença que ocorre no sistema reprodutor feminino e atinge entre 15% e 20% das mulheres em todo o mundo. No Brasil, quase 10 milhões de mulheres em idade reprodutiva são acometidas pela endometriose.

Os principais sintomas são dor pélvica, cólica menstrual intensa – que é um dos mais característicos -, sangramentos na urina ou nas fezes e dor durante o ato sexual e para urinar. Vale destacar que, segundo dados da Associação Brasileira de Endometriose e Ginecologia Minimamente Invasiva, de 50% a 70% das mulheres com a doença são inférteis.

O ginecologista Claudio Crispi, que é o presidente do Instituto Crispi e coordenador da Campanha, destaca sobre a necessidade de falar sobre a endometriose: “a única maneira que temos de fazer um diagnóstico de uma doença é quando pensamos nela”. Segundo ele, é preciso diminuir o intervalo entre o início dos sintomas e o diagnóstico. “Leva-se de sete a dez anos por falta de conhecimento da paciente e dos médicos. E é uma doença que piora todo mês que a mulher menstrua”, esclarece.

Tratamento e Cirurgia

O Sistema Único de Saúde oferta serviços de saúde à mulher para diagnóstico e tratamento da endometriose. O processo começa na rede de assistência na Atenção Básica e passa pela Atenção Especializada de Média e Alta Complexidade.

Dados do Ministério da Saúde apontam que, ano passado, mais de 20 mil procedimentos ambulatoriais foram realizados em relação à endometriose.

As mulheres que sentem os sintomas típicos da doença ou já foram diagnosticas podem recorrer aos serviços de cirurgia que são ofertados no Ambulatório de Endometriose no Hospital e Maternidade Therezinha de Jesus -  hospital de ensino conveniado da Suprema - , através da parceria com a Pós Graduação da Suprema e do Instituto Crispi. Para isso, basta ir até a Unidade Básica de Saúde do bairro que reside e pegar o encaminhamento para uma consulta na ginecologia do HMTJ. Caso a consulta já tenha sido realizada, basta entrar em contato com o telefone 4009-2277.

logobase3.png